domingo, 10 de junho de 2012

CINDERELA ÍNDIGENA

As margens do oceano Atlântico, numa linda praia, vivia um grande guerreiro. Isso aconteceu há muitos anos. Dizem que ele foi um um dos melhores ajudantes  do deus Glooskop, tendo mostrado muita força e valentia.
Era conhecido como vento forte e tinha o incrível poder de se tornar invisível. Morava com sua irmã e todas as jovens da aldeia sonhavam em se casar com ele. Ele dizia que só se casaria com a moça que fosse capaz de vê-lo chegar em casa ao anoitecer, mas ele sempre voltava invisível. A irmã do guerreiro era a responsável pela tarefa de testar as pretendentes. Todos os dias, ao entardecer, ela caminhava pela praia com alguma moça interessada em seu irmão. Chegando perto de casa, ela perguntava:
- Você está conseguindo vê-lo?
Todas mentiam dizendo que sim.
- E com o que ele está puxando o trenó?
As moças, tentando adivinhar, respondiam:
- Com uma corda - ou - com uma pele de alce!
Mas todas mentiam e Vento Forte não se casaria com alguém que não falasse a verdade. Na mesma aldeia, vivia um grande cacique junto às suas três filhas. Elas eram moças muito bonitas.
A mais nova, que se chamava Tainá, era de uma beleza incrível. Suas irmãs tinham muita inveja dela e a tratavam mal. Davam-lhe roupas velhas e faziam com que ela fizesse todo o serviço da casa. Um dia cortaram-lhe os lindos cabelos negros e jogaram brasas em seu rosto, deixando-a com muitas cicatrizes. Para completar, disseram para seu pai, que Tainá se machucara sozinha.
As filhas mais velhas do cacique também tentaram conquistar o Vento Forte, mas ele não acreditou em suas mentiras e as mandou embora.
Um dia, Tainá ouviu falar de Vento Forte e decidiu conhecê-lo. As irmãs caçoaram dela:
- Imagina se ele vai sequer olhar para uma criatura sem graça como você!
No caminho até a casa do índio todos riram dela, deixando-a muito triste. Entretanto, a irmã do guerreiro recebeu a jovem com muito carinho e foi caminhar com ela pela praia. Ao entardecer, ela fez a pergunta de sempre:
- Você está conseguindo vê-lo?
- Não - respondeu Tainá, que surpreendeu a outra com sinceridade.
- E agora, pode vê-lo? - insistiu  a irmã.
- Estou sim e ele era maravilhoso!
- Com o que ele está puxando o trenó?
- Com o arco-íris! Que lindo!
A irmã de Vento Forte acreditou que a moça falava a verdade. Levou-a para casa e lhe preparou um banho especial.
Enquanto esfregava Tainá, suas cicatrizes iam desaparecendo. Seus cabelos começaram a crescer, lindos e negros. Em seguida, ela ganhou roupas de princesa e lindos ornamentos.
Quando Vento Forte chegou, ficou encantado com sua beleza de Tainá e a pediu em casamento. Depois disso ele resolveu se vingar de suas irmãs, transformando-as em árvores com raízes bem profundas, para que elas nunca mais se soltassem.
Dizem que ainda hoje, sempre que sopra um vento forte, as árvores estremecem de medo. Isso faz com que  se lembrem de seu terrível castigo, pelas mentiras que contaram e pelas maldades que fizeram contra a irmã.

Fonte: Texto de Patrícia Amorim. Editora: Vale das Letras.

    

Nenhum comentário:

Postar um comentário