quinta-feira, 29 de março de 2012

PINÓQUIO

Certa vez um velho carpinteiro chamado Gepeto fez um boneco de madeira. Deu-lhe o nome de Pinóquio. De repente o boneco criou vida. Gepeto ficou muito feliz, agora tinha um filho.
Gepeto queria fazer de Pinóquio um menino educado. Colocou-o na escola. Mas Pinóquio fugiu e foi divertir-se no teatro de bonecos.
O dono do teatro queria ficar com Pinóquio, mas ele chorou tanto que o homem deu-lhe umas moedas e o deixou partir.
Na volta para casa encontrou dois ladrões. Apesar dos conselhos do Grilo Falante, seguiu com eles e foi roubado. Pinóquio, triste, resolveu voltar para casa e obedecer Gepeto.
No caminho um passarinho avisou  que Gepeto foi procurá-lo no mar. Ele ia ao encontro de Gepeto quando viu umas crianças que se dirigiam ao País da Alegria. Pinóquio foi com elas.
Estava brincando quando percebeu que estava  se transformando em um burro.
Chorou arrependido. Uma fada apareceu e desfez o encanto. Mas avisou:
- Toda a vez que mentir seu nariz vai crescer!
Chegando ao mar, Pinóquos io e o grilo foram procurar Gepeto. Apareceu uma baleia e os engoliu. Lá dentro encontraram Gepeto. Quando a baleia abriu a boca de novo, eles fugiram.
Chegando em casa, a fada recompensou a coragem de Pinóquio, transformando-o num menino de verdade. Pinóquio  e Gepeto foram muito felizes.


Fonte: Texto de Cristina Marques. Histórias Encantadas.
Editora BrasilLeitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário